sábado, 9 de junho de 2012

A Paulista e seu Cantor - Final



Dançaram muito, até que ele a convidou:
_Desce no rio comigo?
Já era tarde, ela conhecia os perigos do cerrado e das beiras de rios no Pantanal, mas com ele não sentia medo. Esquecera das pegadas de onça que fotografara ainda outro dia, das piranhas e dos jacarés. Não perderia aquela oportunidade. Saíram caminhando de mãos dadas dali, as vozes e as músicas ficavam cada vez mais distantes, agora apenas um silêncio cortava o cerrado e a lua linda dava um romantismo a fuga insana dos dois amantes. Os olhos dos bichos estavam iluminados também pela lua pantaneira. Chegaram a uma praia, a mesma que ela ficara admirando seu cantor pela manhã, entraram num pequeno barco e seguiram a uma outra praia do rio Negro. Desceram e ficaram se olhando por alguns instantes, depois seus corpos dominaram o assunto, ele afastou seus cabelos dos olhos, desamarrou carinhosamente seu vestido e tirou de seu corpo as mais belas notas musicais. Quando enfim seus corpos se uniram era a mais bela harmonia, tudo perfeito, se completando totalmente. Um encaixe perfeito, um ritmo único. Rio e lua, cantor e fã, agora eram apenas o um homem e uma mulher se consumindo em chamas. Nem em seus sonhos mais loucos imaginou a perfeição daquele momento, o céu parecia encher de cores na madrugada e o êxtase dos amantes despertou os pássaros de seus ninhais e o barulho das asas revoando no céu se misturavam com os gemidos dos amantes. Era o céu mais lindo que ela já havia visto, o rio estava todo iluminado pelos olhos dos jacarés, que as vezes rebatiam a cauda, como quem aplaude o amor. Ficaram ali abraçados, e no peito de seu cantor a Paulista assistiu o mais lindo amanhecer do Pantanal. Ao amanhecer se banharam nas águas do rio e repetiram a mesma música da noite anterior, agora com sabor de despedida. Algumas horas mais tarde no hotel, era a hora da partida, ele a levou em seu avião. Ele pilotava concentradíssimo e ela ia ao lado admirando seu  piloto-cantor. Em um momento ele puxou a luva de couro e colocou sua mão sob a mão da Paulista, segurou forte e disse: 
_ Amei essa viagem, minha Paulista! 
_ Eu também, hoje fui a mulher mais feliz do mundo!
Ele puxou sua cabeça contra o peito e beijou seus cabelos. Não se falaram mais.
 Ao chegarem no aeroporto de Campo Grande as fãs tomaram conta do seu cantor, cada um tomou seu destino. 
Ela ainda foi em outro shows dele, ele sempre a chama de "Minha Paulista". 
Hoje, passado alguns anos, quando a Paulista olha o rio seu coração dispara, seu corpo estremece, mas sem melancolia, tem apenas saudades do momento. Sabe que viveu um momento único e mágico.Momentos que se vivem uma vez. Foi um sonho bonito.Ficou só como lembranças, lembranças de um grande amor que sumiu na curva do rio, ninguém nunca  viu e nunca mais voltou. Foi para o oceano e lá se evaporou.
 As fotos que a amiga tirou do casal dançando ela guarda até hoje. Mostra para seus amigos mais próximos, é o seu segredo. Vai mostrar para os netinhos um dia: 
_ Vovó era danada, deu uns pegas nesse cantor!

13 comentários:

Arnoldo Pimentel disse...

Um belo e romântico conto.Parabéns,beijos.

M.Cecilia Flor. disse...

Lindo Domingo,Um Sol a aquecer..Edilene um conto cheio de romantismo,o amor no ar,Parabéns,Sucesso.Bjus\Flor*

Felisberto Junior disse...

Olá!Bom dia!
...puxa vida...não ficaram juntos...
Há instantes que mudam,ou ficam, na nossa lembrança para sempre...e ela, soube desfrutar deste momento...e mesmo não ficando juntos...ficou feliz!
Obrigado pelo carinho de sempre!
Bom domingo!
Beijos

✿ chica disse...

Rssss...Ficou muito legal,Edilene!! Gostei!! beijos,chica

Renata Diniz disse...

Oi Edilene! Gostei do romance. Em tempos de namorados, faltou eles ficarem juntos. Me surpreendi com o seu desfecho. Beijos!

Milena Matos do Amaral disse...

Olá Edilene,gosto muito da forma que vc escreve, sua letra eu adoro ,acho até que vou trocar a fonte das minhas postagens rs.Sou muito romântica,que pena apenas que no final ficaram apenas lembranças...Se eu vivo algo assim não sossegaria enquanto não tentasse repetir mais vezes <3.Bjos e até breve!

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Ora... se rolou porque não dar um pega? Um conto pra lá de gostoso. Beijos.

Anônimo disse...

minha irmã querida, te amo, muito bacana, adorei

eliézer

Edilene disse...

Eliézer, meu irmão, também te amo! Me passa teu email
saudades

Anne Lieri disse...

Di,que lindo o final desse conto,apesar de triste,mas a vida reservava outra pessoa para os dois!Bjs e boa semana!

Lílian Almeida disse...

ai , que lindo e romântico , como a vida muitas vezes, né Di !
Beijo e uma semana linda !
http://casascoisaseoutros.blogspot.com/

Jaqueline Cristina disse...

Delícia de leitura, adoro contos curtos e coerentes. Lindo.
Parabéns!!

Lílian Almeida disse...

Amiga, passando pra te desejo um fim de semana revigorante !
Beijão!